Cidadãos sendo treinados para ser intolerantes – Religião, precisamos disto?

Educação é a base fundamental para vencermos a ignorância, quando uma massa de ovelhas se deixa manipular por pessoas mal informadas, e levianas cria-se barreiras intransponíveis a um bom convívio social, a condição de interação pessoal vai ficando de lado a fim de suprir o ego inflado e prepotente de alguns demagogos que graças à falta de ação de muitos gera um efeito nefasto na mente já conflitante de adolescentes.

É notório que a religião ao longo dos anos criou mais divisão do que união, ela teve seu efeito prático apenas para fortalecer pequenos grupos que visavam sempre à dominação e o controle, nos dias atuais com a disseminação da informação de maneira mais ágil. Vários novos profetas se apresentam todos os dias para levar uma mensagem nova a uma massa de mentes infantis e cada vez mais manipuláveis, trazendo inimizades dentro dos lares, meios profissionais e educacionais. Seitas são criadas ao bem prazer de criminosos que transvestidos por um manto imaculado das religiões se alastram como ervas daninhas entre uma promissora horta, que é aniquilada por pragas que embasadas na “palavra de deus” consomem o néctar da inocência de crianças, que mesmo em meio a tanta turbulência buscam um caminho correto a seguir. Muitos adultos que por conveniência também aceitam ser manipulados apenas na esperança de ter sua vida facilitada por algo maior do que eles, e são facilmente enlaçados por esta teia de demagogia, intolerância e até uma dose de pura maldade, pois os que encabeçam estas massas sempre carregam consigo segundas, terceiras, quartas intenções.

Exemplos desta intolerância crescente estamos vendo em todos os jornais, noticiários, dentro de nossa família, e dentro das escolas.

Confesso a vocês que assim que recebi esta notícia:

Alunos evangélicos se recusam a fazer trabalho de cultura africana


Para pais evangélicos, o estudo da cultura afro-brasileira ia
expor seus filhos a outros deuses, o que a Bíblia proíbe

Isabel Costa, diretora da Escola Estadual Senador João Bosco de Ramos Lima, de Manaus (AM), comentou que, em sete anos do projeto interdisciplinar, nunca houve a confusão que ocorreu agora. “Fique muito abalada.”

Catorze alunos evangélicos do 2º e 3º ano do ensino médio se recusaram a apresentar na feira cultural um trabalho sobre cultura africana porque acharam que seria uma ofensa a sua religião e aos seus princípios morais. Eles propuseram uma dissertação sobre “As missões evangélicas na África”, e a escola rejeitou.

“O que eles [evangélicos] queriam apresentar fugia totalmente do tema”, disse Raimundo Cleocir, coordenador adjunto da escola.

No entendimento da evangélica Wanderléa Noronha, o trabalho proposto pela escola exporia a sua filha a religiões de matriz africanas, com o que ela, a mãe, não concorda. “A discriminação aconteceu conosco”, disse. “Por que não pode haver espaço para a religião evangélica na feira?”  Ela disse que a sua filha sofreu bullying por não aceitar a fazer o trabalho. 

O aluno Ivo Rodrigo disse que o tema “Conhecendo os paradigmas das representações dos negros e índios na literatura brasileira, sensibilizamos para o respeito à diversidade” contraria a sua religião. “A Bíblia Sagrada nos ensina que não devemos adorar outros deuses, e quando realizamos um trabalho desses estamos compactuando com a ideia de que outros deuses existem e isso fere as nossas crenças no Deus único.”

O aluno Jefferson Carlos reclamou que foi obrigado a ler um livro de Jorge Amado, “chamado Jubiabá”, “onde um garoto tem amizade com um pai de santo”.  “Achei muito estranha isso, porque teríamos de relatar essa história no trabalho”, afirmou. “Queríamos apresentar de outro modo, sem falar sobre isso”.

Os evangélicos também criticaram a indicação para leitura de outros livros clássicos da literatura brasileira, como “Macunaíma”, “Iracema”, ‘Ubirajara’, ‘O mulato’, ‘Tenda dos Milagres’, e ‘O Guarany’, por abordarem homossexualidade, umbanda e candomblé.

Por detrás da reação dos evangélicos está o pastor Marcos Freitas, do Ministério Cooperadores de Cristo. Ele criticou os livros que a escola listou para que os alunos lessem. “Tinha homossexualismo no meio, eles [direção da escola] querem que os alunos engulam isso?” 

A discordância assumiu maior proporção, chamando a atenção da imprensa e de entidades de direitos humanos, quando os alunos montaram uma tenda fora da escola para apresentar o seu trabalho sobre as missões evangélicas na África. 

 

Esses alunos tiveram nota baixa porque, disse Cleocir, “o trabalho não pôde ser avaliado, pois não tinha nada a ver com a feira”. Os pais ficaram mais revoltados.

A escola promoveu uma reunião entre professores e pais para explicar as notas baixas. A convite, houve a participação de representantes dos Direitos Humanos, Movimento Religioso de Matriz Africanas, Comissão de Diversidade Sexual da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e Marcha Mundial das Mulheres.

Raimunda Nonata Corrêa, da Carma (Coordenação Amazonense das Religiões de Matriz Africana), disse que os evangélicos estavam equivocados porque a feira tem sido promovida para expor os ingredientes culturais da sociedade brasileira, entre os quais os de origem africana.

Ela ressaltou que, além disso, “a escola não é espaço de disputa religiosa”, porque o seu objetivo é “qualificar o aluno como cidadão de um país que é plural”. 

Luiz Fernando Costa, professor na escola e presidente do Movimento Negro no Amazonas, lembrou que as escolas têm de ensinar sobre a cultura afro-brasileira e indígenas não só por causa de sua importância, mas também porque há uma lei federal que obriga a isso. “Todo esse tema está no currículo da escola, a discussão é sobre ensino das culturas e não sobre a religião.” 

A reunião na escola foi mediada por Rosaly Pinheiro, representante do Conselho dos Direitos Humanos. Ela reconheceu que o assunto é “delicado” porque as pessoas precisam entender que “vivemos numa democracia e que todos têm liberdade de expressão”.

A reunião terminou sem consenso. Na próxima semana, a Secretaria de Educação decidirá como vão ficar as notas dos evangélicos. A diretora Isabel Costa admitiu que o trabalho “Missões Evangélicas na África” poderá ter “uma avaliação diferenciada”.

Senti uma forte indignação não pela recusa, mas como as pessoas em pleno ano de 2012 ainda se comportam como os neandertais do intelecto, tratando as questões sociais de maneira arrogante, até entendo a postura dos adolescentes, que nada mais são do que massa de manobra na mão de adultos que já percorreram uma longa estrada e mesmo assim educam seus filhos para continuarem suas jornadas de afastamento dos que pensam diferentes.

A pouco tempo atrás uma pessoa da minha família estava indignada porque igrejas históricas, estavam sendo reformadas, ela julgava algo satânico, como se deus ou o diabo tivesse algo a ver com um gerador de divisas, ou com a preservação da história de todo um povo, que se forjou sob estas bases. Evidente que uma educação básica imparcial auxiliaria bastante para que tais divisões fossem rompidas a longo prazo, mas no caso acima temos estudantes ignorando a cultura literária do país em prol de defender algo abstrato.  E sem desmerecer o grupo dos evangélicos negar a cultura negra do país é uma afronta a todo país que nasceu, cresceu e se desenvolveu graças aos índios, aos negros, aos brancos, aos amarelos. Toda esta miscigenação formou o Brasil que mesmo sendo um caldeirão cultural integra povos de todo mundo pacificamente, mas infelizmente o ódio vai sendo semeado aos poucos por hipócritas religiosos, a Igreja Católica usou de sua força política para abafar outras manifestações país afora por gerações e não foi feliz, agora com sua perda hegemônica tem se preocupado com seus fieis remanescentes, mas outra orla de religiosos estão nascendo com o intuito em dividir, usando sempre a palavra de deus para justificar suas arbitrariedades, e com pouca preocupação com a verdadeira mensagem de Cristo que é o Amor, e não a imposição. A secretária do Amazonas foi objetiva em não aliviar para este grupo, e espero que não retroceda em sua decisão para não alimentar mais ainda esta bobagem religiosa.

Secretaria do Amazonas critica intolerância de alunos evangélicos

 

Edson Melo, diretor de Programa e Políticas Pedagógicas da Secretaria de Educação do Estado do Amazonas, criticou a atitude dos 14 alunos evangélicos que se recusaram a apresentar um trabalho sobre cultura africana para, segundo eles, não ter contato com as religiões dos afrodescendentes. 

“Não podemos passar uma borracha na história brasileira”, disse Melo. “E a cultura afro-brasileira está inclusa nela.” Além disso, afirmou, as escolas não são locais para “formar mentes intolerantes”. 

Os evangélicos teriam de apresentar em uma feira cultural da Escola Estadual Senador João Bosco de Ramos Lima, em Manaus, um trabalho dentro do tema “Conhecendo os paradigmas das representações dos negros e índios na literatura brasileira, sensibilizamos para o respeito à diversidade”.

Eles se negaram porque, entre outros pontos, teriam de estudar candomblé e reagiram montando uma tenda fora da escola para divulgar as missões evangélicas na África.

Melo se reuniu hoje (12) pela manhã com a direção e professores da escola. Ao término, ele disse à imprensa que os alunos, para obter nota, terão de apresentar o trabalho com o tema proposto. 

Ele afirmou que o ensino da cultura afro-brasileira e indígena é obrigatório desde 2003, quando foi editada a lei 10.635. “Essa lei é aplicada em todas as escolas brasileiras.”

“Há sete anos esta escola realiza uma feira cultural com o objetivo de ensinar aos alunos a contribuição das diversas culturas para a formação da identidade brasileira, e nunca houve problema.” 

Os evangélicos, que continuam frequentando a escola, afirmam que estão sofrendo bulllying. Eles se mantêm irredutíveis diante da argumentação de que o candomblé faz parte da cultura brasileira, não se tratando, portanto, apenas de uma religião. 

O site DM24AM informou que eles pretendem enviar um repúdio à Presidente da República contra a imposição da escola de que lessem um livro de Jorge Amado em cuja história há um menino que é amigo de um pai de santo. Eles criticaram a direção da escola por não incluir na feira a religião evangélica.

O BULLYNG a que estas crianças acreditam estar passando é o resultado de sua postura discriminatória e deve agradecer ao pastor irresponsável e leviano que os conduzem. Confesso que tive dificuldades em escrever aqui, porque Jesus Cristo quando encarnou na Terra e mesmo com toda subjugação à que foi exposto transmitiu uma mensagem de amor, perdão, tolerância, altruísmo, benevolência, desapego, e amor ao próximo incondicionalmente, Jesus foi e é uma fonte inesgotável de exemplos dignos, mas o que vemos deste sua partida? Pessoas querendo se dar bem usando sempre seu nome como tema principal. Usando algumas vezes da inocência e ânsia em conquistar seus objetivos pela fé, uma fé que graças as religiões vai sendo manipulada ao bem prazer de Falsos Profetas.

O Evangelho Segundo o Espiritismo – LAKE

OS FALSOS PROFETAS

• Luís • Bordeaux, 1861

8. Se alguém vos disser: “O Cristo está ali”, não o procureis, mas, ao contrário, ponde-vos em guarda, porque são numerosos falsos profetas. Então não vedes quando as folhas da figueira começam a embranquecer; não vedes os numerosos rebentos ansiando pela época da floração; e o Cristo não vos disse: “Conhece-se a árvore pelos seus frutos?” Se, pois, os frutos são amargos, considerais a árvore má; mas se são doces e saudáveis, dizeis: “Nada tão puro poderia sair de um tronco mau”.


É assim, meus irmãos, que deveis julgar: são as obras que devem ser examinadas. Se os que se dizem revestidos do poder divino revelam todos os sinais de semelhante missão, ou seja, se eles possuem, no mais alto grau, as virtudes cristãs e eternas: a caridade, o amor, a indulgência, a bondade que concilia todos os corações; e se, confirmando as palavras, lhes juntam os atos; então podereis dizer: estes são realmente os enviados de Deus.

Mas desconfiai das palavras melífluas, desconfiai dos escribas e dos fariseus, que pregam nas praças públicas, vestidos de longas vestes. Desconfiai dos que pretendem estar na posse da exclusiva e única verdade!

Não, não, o Cristo não está lá, porque aqueles que ele envia, para propagar a sua santa doutrina e regenerar o povo, são sempre, a seu próprio exemplo, mansos e humildes de coração, acima de tudo o mais; os que devem, por seus exemplos e seus conselhos, salvar a humanidade, que corre para a perdição e se desvia por caminhos tortuosos, serão, antes de mais nada, inteiramente modestos e humildes. Todo aquele que revela um átomo de orgulho, fugi dele como de uma lepra contagiosa, que corrompe tudo o que toca. Lembrai-vos de que cada criatura traz na fronte, mas sobretudo nos atos, a marca de sua grandeza ou de sua decadência.

Avançai, pois, meus queridos filhos, marchai sem vacilações, sem segundas intenções, na bendita caminhada que empreendestes. Avançai, avançai sempre, sem nenhum temor, e afastai corajosamente tudo o que poderia dificultar a vossa marcha para o objetivo eterno. Viajores, não estareis mais do que um breve tempo nas trevas e dores da prova, se vossos corações se deixarem levar por esta suave idoutrina, que vem revelar-vos as leis eternas, satisfazendo todas as aspirações da vossa alma diante do infinito!

Sim, desde já podereis corporificar esses silfos alígeros, que perpassam nos vossos sonhos, e que, tão efémeros, só podiam deleitar o vosso espírito, sem nada dizerem ao vosso coração. Agora, meus amigos, a morte desapareceu, cedendo lugar ao anjo radioso que reconheceis, o anjo do reencontro e da reunião. Agora, vós que bem cumpristes a tarefa que o Criador vos deu, nada mais tendes a temer da sua justiça, porque ele é pai e perdoa sempre aos filhos desgarrados, que clamam por misericórdia. Continuai, portanto, avançai sem cessar! Que a vossa divisa seja a do progresso constante em todas as coisas, até chegardes ao termo feliz em que vos esperam, afinal, todos aqueles que vos precederam.

Fonte das matérias:

http://www.paulopes.com.br/

Anúncios

Sobre Fábio Duarte

@FabioDuarte_BH
Esse post foi publicado em Artigos Fábio Duarte e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Cidadãos sendo treinados para ser intolerantes – Religião, precisamos disto?

  1. Mais uma vez, leio seus apontamentos que lhes são ditos pelo alto, e não me atendo mais a discutir ou comentar em relação a perseguição que são feitas por algumas ” Religiões”, que não querem sofrer com baixas pessoais por seus componentes deixarem de ser levados porque fulano diz isto, beltrano diz aquilo, portanto eles çao tem que pensar, não tem que refletir, não tem que pesquisar.
    Como temos a dádiva de poder racionar, e procurar , pesquisar, vamos encontrando respostas que não são bem aquelas que querem nos colocar a crer e isto para essas ” Religiões” representa o que? Falta de Fé? Acredito piamente, que não é por esse lado que veêm estes Mestres, Profetas, Bispos, e sei lá mais qual classificação se intitulam.
    Portanto, como Umbadista e ex seminarista salesiano, Exercendo dentro da humildade, da caridade e do amor ao próximo há mais de 40 anos; não me afeta, nada do que possam pensar ou querer essas “RELIGIÕES”.
    Procuramos seguir exclusivamente aquilo que o nosso Pai Criador, deseja de cada um de nós, a prática do amor incondicional a tudo que nos emprestou enquanto aqui estivermos.
    Entendermos que somos eternos e filhos deste Pai que não coloca nenhum melhor ou pior, sendo seu amor, sua compaixão, por cada um igualmente sem distinção.
    Deseja apenas, que saibamos utilizar de nosso livre-arbítrio para caminhar na direção da Paz, do sentimento do perdão, da benevolência, da caridade e da nossa evolução entendendo porque aqui estamos, qual finalidade e para onde iremos.
    O restante é para essas ditas ” RELIGIÕES ” ficarem com esse problema de querer por meios contra tudo o que pregam, tentando desarticular aquilo que não poderão de forma alguma.
    Muita Paz, Muita Luz, Muita Harmonia e todos Corações.
    Saravá- Namastê- Axé

  2. carlos disse:

    Leia o texto ADOLESCENTES PERSEGUIDOS POR CAUSA DA FÉ no portal EVANGELIZA BRASIL antes de ser intolerante acusando o outro disso,,,
    http://www.evangelizabrasil.com/2012/11/16/22327/#more-22327

  3. Fábio Duarte disse:

    Agradecemos por trazer outro ponto sobre o assunto.

    Abraços

  4. Achei interessante a postagem e principalmente o título que colocou. Realmente são poucas as religiões que estão cumprindo o seu devido papel, a palavra Religião, derivada do Latim “Religare” significa Religar, Reunir, Reatar; para que uma religião cumpra com seu dever é necessário incentivar a fraternidade, pois todos somos filhos do mesmo pai. Mas nem por isso devemos criticar uma religião pelo equivoco de alguns individuos, se existem uns que difamam uma religião, existem outros que a divulgão no seu real significado. Até mesmo no próprio Espiritismo, tem gente que o confunde com Espiritualismo, mesmo alguns estudiosos da América do Norte tê-lo considerado como Espiritualismo “Moderno”. Equivocos existem em todos os grupos, até no próprio Espiritismo. Por isso que devemos seguir os ensinamentos de Jesus: “Façamos aos outros aquilo que gostariamos que nos fizessem” (Mateus 7,12) e “Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará” (João 8,32)

  5. Fábio Duarte disse:

    Pertinente e sábia suas palavras Emmanuel..

    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s