Não Houve Culpa Nem Castigo.

Singular explicação sobre a expulsão de Adão do Paraíso – Não houve culpa nem castigo.

não houve culpa nem castigo

Dionísio: – Sempre, até mesmo quando crianças, muito me impressionaram os relatos bíblicos, a ponto de constituírem para mim uma preocupação que, ao longo dos anos, tratei em vão de decifrar. Movido por ela, investiguei em diversas fontes e consultei diversas pessoas versadas em assuntos bíblicos, sem jamais haver obtido uma resposta satisfatória às minhas perguntas. Até parece que tudo teria de ser seguido ao pé da letra, como discernir sobre a verdade ou o conteúdo real de tais episódios fosse algo vedado à inteligência humana. No Gênese, por exemplo, está dito: “Tomou, pois, o Senhor Deus o homem e o pôs no jardim do Éden, para que o lavrasse e guardasse“, adicionando em continuação: “E deu o Senhor Deus uma ordem ao homem, dizendo: – De toda árvore do jardim comerás livremente; mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás, porque, no dia em que dela comeres, morrerás.” Vem depois o episódio da serpente seduzindo a mulher para que coma a fruta dessa árvore, e, finalmente, a expulsão de Adão do paraíso por haver desobedecido.

              É certo tudo isto? Deve minha consciência, assim como a dos demais homens, admitir que Adão pecou e que, por sua culpa, a totalidade do gênero humano sofrer as consequências? E, admitindo que assim fosse, não houve e nem há a mais remota possibilidade de uma absolvição total da espécie?

Preceptor: – Como se sabe, a expressão “árvore da Sabedoria” foi empregada para simbolizar o summum dos conhecimentos-mães a se estenderem por seus diferentes ramos, á sombra dos quais o homem protege sua vida e aprende a dominar e usar as forças ocultas da Natureza. O relato bíblico a que você se referiu encerra o profundo mistério da primeira revelação universal que o homem teve, ao ser despertada nele a consciência da responsabilidade. Saborear a fruta dessa árvore significa, pois, tomar posse de Conhecimentos. Os conhecimentos são forças ativas. Portanto, dentro do paraíso edênico, o homem deveria mover-se orientando sua incipiente reflexão com os conhecimentos que haveriam de transformar por completo sua vida, até então assemelhada tão somente à natureza animal.

adão e eva

Dionísio: – Quer dizer que ele não foi castigado nem expulso do Paraíso, como diz a tradição?

Preceptor: – Exatamente. Foi simbólico a repressão, ou castigo, e tão só para a posteridade – ou seja, a semente humana – recordasse, ao estender-se pelo mundo, que foi permitido ao homem, nos primórdios de sua existência, viver um tempo muito próximo a seu Criador, desfrutando todas as venturas oferecidas por esse mundo superior, denominado “Paraíso” no relato bíblico. O homem conheceu, em consequência, a vida superior ou paradisíaca que numa perene recordação, vive ainda na alma humana. Tem, pois, a recordação de sua existência inicial, mantendo aberta sua intuição à perspectiva de voltar a viver nesse por meio do conhecimento. Sabe o homem, assim, que deve conquistar por si mesmo, isto é, por própria e leal realização, aquela felicidade usufruída nos alvores da existência terrena.

 (…) – Sendo Deus o absoluto em Poder, Sabedoria e Perfeição, não é possível admitir, sem menoscabar esse conceito, que depois de criar o homem não tenha pensando fazer o mesmo com a mulher, pois “macho e fêmea os criou“. À mulher chamou de “varoa“, porque, tendo a mesma configuração física e biológica, distinguiu-a o sexo. Foi essa diferença que estabeleceu a conservação da espécie, pelo concurso do gênero na procriação da criatura humana.(…)

Obra Diálogos – Carlos Bernardo Gonzáles Pecotche

Anúncios

Sobre Fábio Duarte

@FabioDuarte_BH
Esse post foi publicado em Artigos Diversos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s