Comentário de José Herculano Pires sobre o Suicídio

suicidio pelo espiritismo

J. Herculano Pires – Nós sabemos pelo ensino dos espíritos e pelas comunicações de muitos espíritos de suicidas, e até mesmo por livros escritos a respeito com muita atenção para as experiências realizadas, nós sabemos que, em geral, os espíritos dos suicidas permanecem em situação bastante difícil.

E isto por quê? Porque eles violam uma lei natural; eles interrompem o curso de sua própria existência, o curso da vida. E ao produzirem essa interrupção, eles sofrem naturalmente as consequências das mesmas.

Digamos, para fazer assim um exemplo grosseiro a respeito deste assunto, digamos que um indivíduo correndo a alta velocidade numa estrada num automóvel, resolve de repente brecar o seu carro. O que aconteceria? Nós todos sabemos que os resultados seriam fatais. Acontece o mesmo no processo da vida. Eu quero dar este exemplo para tirar da questão dos suicidas a ideia demasiado mística de que a todo momento Deus está punindo as pessoas por transgredirem as suas leis. Não é isso que acontece. As leis de Deus trazem em si mesmas as punições que são aplicáveis aos violadores.

visao espirita suicidio

Quando nós levamos as mãos ao fogo, queimamos as mãos. Por quê? Porque Deus determinou que naquele momento a nossa mão fosse queimada? Não. Porque existe uma lei, uma lei física, que é também de Deus, pois todas as leis existentes na natureza são leis de Deus; existe essa lei física que determina que se nós encostarmos a mão no fogo, o fogo nos queimará. Assim também acontece para o suicida. Se ele vem no seu processo existencial, na sua vida, desenvolvendo as suas atividades nos rumos de uma evolução que lhe é necessária e, por isso mesmo, ele está encarnado aqui na Terra, vivendo sua existência, e de repente ele resolve brecar seu carro e pratica o suicídio, é evidente que ele provocou um acidente grave para ele mesmo. É por isso que ele fica em estado de profunda perturbação e sofrerá essa perturbação durante o tempo correspondente ao ato que ele praticou.

Quer dizer, da mesma maneira que um motorista em alta velocidade, por exemplo, a 180 km/h numa estrada, ele brecando o carro, ele sofre um impacto correspondente aos 180 km da sua velocidade, e o outro com 50 km sofreria um impacto muito menor, assim também no caso do suicida. De acordo com as circunstâncias em que ele se suicidou é que a sua pena, por assim dizer, que é o seu sofrimento consequente do ato, será maior ou menor. Nunca podemos precisar com exatidão quanto tempo o suicida sofrerá as consequências do seu ato.

Mas sabemos que isto corresponde à responsabilidade que ele teve, porque no suicídio, como em todos os demais atos humanos, a justiça divina que é infalível, que não é semelhante à justiça dos homens, leva sempre em consideração os atenuantes. Assim esses atenuantes podem diminuir a gravidade das consequências. E se não houver atenuantes, as consequências podem ser mais amplas.

 

José Herculano Pires

Anúncios

Sobre Fábio Duarte

@FabioDuarte_BH
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Comentário de José Herculano Pires sobre o Suicídio

  1. Pingback: O QUE FAZER SE TENHO VONTADE DE MORRER? | Vamos Refletir?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s