Sobre

Site direcionado a debater, discutir e dirimir dúvidas sobre a Filosofia Espírita, ou Doutrina dos Espíritos, ou Espiritismo.

Os pontos principais da Doutrina dos Espíritos podem ser resumidos da seguinte forma:

Deus, que é eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente bom e justo, criou o Universo.

O mundo espiritual é o mundo normal, primitivo, enquanto o mundo corporal é secundário; este poderia deixar de existir ou nunca ter existido, sem alterar a essência do primeiro.

A alma é um Espírito encarnado, e o corpo apenas o seu invólucro.

Há no homem três coisas: 1.º) o corpo ou ser material, semelhante ao dos animais e animado pelo mesmo princípio vital; 2.º) a alma ou ser imaterial, Espírito encarnado no corpo; 3.º) o laço que une a alma ao corpo, princípio intermediário entre a matéria e o Espírito (Perispírito).

O laço ou perispírito que une corpo e Espírito é uma espécie de invólucro semimaterial. A morte é a destruição do invólucro mais grosseiro. O Espírito conserva o segundo, que constitui para ele um corpo etéreo, invisível para nós no seu estado normal, mas que ele pode tornar acidentalmente visível e mesmo tangível, como se verifica nos fenômenos de aparição.

Os Espíritos pertencem a diferentes ordens de perfeição. Eles não permanecem eternamente na mesma ordem. Todos melhoram, passando pelos diferentes graus da hierarquia espiritual.

Deixando o corpo, a alma volta ao mundo dos Espíritos, de que havia saído para reiniciar uma nova existência material, após lapso de tempo mais ou menos longo durante o qual permanecera no estado de Espírito errante.

Devendo o Espírito passar por muitas encarnações, conclui-se que todos nós tivemos muitas existências e que teremos outras, mais ou menos aperfeiçoadas, seja na Terra ou em outros mundos.

A encarnação dos Espíritos ocorre sempre na espécie humana. Seria um erro acreditar que a alma ou Espírito pudesse encarnar num corpo de animal.

As qualidades da alma são as do Espírito encarnado. Assim, o homem de bem é a encarnação de um bom Espírito e o homem perverso a de um Espírito mau.

A alma tinha a sua individualidade antes da encarnação e a conserva após a separação do corpo.

No seu regresso ao mundo dos Espíritos a alma reencontra todos os que conheceu na Terra e todas as suas existências anteriores delineiam na sua memória, com a recordação de todo o bem e todo o mal que tenha feito.

Os Espíritos não-encarnados ou errantes não ocupam nenhuma região determinada ou circunscrita; estão por toda parte, no espaço e ao nosso lado, vendo-nos e acotovelando-nos sem cessar. É toda uma população invisível que se agita ao nosso redor.

Os Espíritos exercem sobre o mundo moral e mesmo sobre o mundo físico uma ação incessante. Agem sobre a matéria e sobre o pensamento e constituem uma das forças da Natureza, causa eficiente de uma multidão de fenômenos até agora inexplicados ou mal explicados, que não encontram solução racional.

As relações dos Espíritos com os homens são constantes. Os bons Espíritos nos convidam ao bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação; os maus nos convidam ao mal: é para eles um prazer ver-nos sucumbir e cair no seu estado.

Os Espíritos se manifestam espontaneamente ou pela evocação. A linguagem dos Espíritos é constantemente digna, nobre, cheia da mais alta moralidade; a dos Espíritos inferiores, ao contrário, é inconseqüente, quase banal e mesmo grosseira.

A moral dos Espíritos superiores se resume, como a do Cristo, nesta máxima evangélica: “Fazer aos outros o que desejamos que os outros nos façam”, ou seja, fazer o bem e não o mal. O homem encontra nesse princípio a regra universal de conduta, mesmo para as menores ações.

Fonte: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Cópia de trechos do item VI da Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita.

Anúncios

3 respostas para Sobre

  1. Embora sejamos todos filhos do mesmo Pai Criador. Cada um tem seu livre-arbítrio que somente o Pai concedeu aos seres humanos. Portanto, não pode existir acaso, e sim resultados de atos,pensamentos, omissões que nós mesmos praticamos e que resultarão numa reação que de acordo com o que fizemos, pensamos o omitimos, retornar em nosso benefício ou não.
    Esse conceito não é somente de Allan Kardec. Nós Umbandistas Cristãos, já praticamos estes conceitos bem antes de Nosso Pai Celestial enviar seu filho Jesus para nos livrar de nossas iniquidades, nos ensinar o amor incondicional. Se verificarem nos Livros de Roger Feraudy, hoje falecido, dedicados ao estudo do Espiritismo; irão verificar em seus livros: Umbanda de Todos Nós, Terras das Araras Vermelhas, Baratzil, que a Umbanda já existia há mais de 700 mil anos ante de Cristo. Claro com maior pureza e maiores poderes que hoje, devido às nossas iniquidades, fomos perdendo e estamos reconquistando paulatinamente. Tive a oportunidade de dentre 22 Religiões, pesquisadas, incluindo o Espiritismo, retirar sempre tudo o que acredito ser o bem e esquecer os assuntos que não me convencem e que são puramente fornecidas pelos homens com finalidades diversas que não se precisa enumerar.
    Muita Paz, Luz e Amor Incondicional em todos Corações.
    Antonio C.Evangelista.

  2. Oscar Roberto disse:

    Caro Antonio C. Evangelista. O ensinamento que diz que tudo que fazemos é de nossa responsabilidade e que todos estamos sujeitos à lei de causa e efeito não é um conceito de Allan Kardec mas uma lei natural. Foi a nós lembrada pelos Espíritos na codificação espírita mas antes nos ensinada pelo Mestra Jesus o Cristo quando nos diz: A cada um segundo as suas obras.
    Ajuda-te que o céu te ajudará. Quem fere pela espada perecerá pela espada. A semeadura é livre mas a colheita é obrigatória.
    Sobre a omissão: Jesus: Tive sede e não me deste de beber, tive fome e não me deste de comer, tive frio e não me cobriste, estava preso e não fostes me visitar.
    Quanto à sua informação de que a Umbanda exista há mais de 700 mil anos antes de Cristo lembro que nessa época o homem era o primitivo Homo erectus, não havia ainda sequer surgido o homem de Neandertal. Logo não podemos imaginar existir qualquer religião nessa época,

  3. Gostaria de saber caro Oscar, se por um acaso eu mencionei em algum lugar que tenha sido Allan Kardec que tenha nos ensinado algo sobre a ação e reação, sobre a omissão!!!!!!!!!
    Quanto a sua afirmação de que antes de 700 mil anos de Cristo o Homem era primitivo talvez no seu conceito, se procurar analisar ou pesquisar o que foi a Atlântida, os Povos sem considerar a linha de hebreus e o que é narrado em escrituras, encontrarás, aliás, temos muitas demonstrações de que existiram civilizações muito mais antigas, agora se se queres me induzir a acreditar que estes não tinham cultos ou quem sabe, religiões, basta procurar em enciclopédias, em livros científicos e encontrarás o contraditório de suas afirmações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s